Entenda o que muda nos planos de previdência privada após cerco do governo

O governo segue com a artilharia pesada contra a indústria de fundos no Brasil. Depois de aprovar a taxação dos fundos exclusivos e dos investimentos no exterior, os chamados fundos offshore, atingindo as pessoas físicas com grande patrimônio, o Ministério da Fazenda publicou duas novas resoluções contra os “super-ricos”.

Na última segunda-feira (19), o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), órgão pertencente à Pasta e também responsável por fixar a política de seguros privados no país, anunciou mudanças nas regras dos chamados “produtos de acumulação”. Grosso modo, trata da conversão do saldo acumulado em renda com diferentes prazos e tipos.  

Desta vez, o alvo do governo federal foram os planos de previdência complementar aberta e de seguros de pessoas, que devem ser complementados por regulamentação da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Isso porque o que muda é exatamente o que trata a lei.

 

“Agora, as instituições ficam vedadas à criação de novos produtos que possuem algum tipo de benefício tributário, como era o caso dos fundos exclusivos”

— RICARDO JORGE, ESPECIALISTA EM MERCADO DE CAPITAIS E SÓCIO DA QUANTZED

 

Trata-se, portanto, de uma mudança complementar à aprovação da taxação dos fundos exclusivos, no fim do ano passado. “A primeira mudança foi a medida aprovada com relação aos fundos exclusivos e, agora, essa determinação visa impedir que novos fundos específicos sejam criados”, acrescenta o especialista.

Nesse sentido, a nova regulamentação veda que novos fundos sejam abertos com objetivos exclusivos e restritos. Geralmente, esses veículos financeiros possuem um grande montante patrimonial e conseguiam diferir o pagamento de imposto de renda (IR), dado que não tinham o critério de come-cotas. 

Agora, com a nova determinação, o canal fica ainda mais estreito para os investidores que têm muitos recursos. Ou seja, fica mais difícil para eles criarem estratégias que diferem o pagamento de impostos. É o caso, por exemplo, da constituição de planos familiares de previdência privada com saldos individuais acima de R$ 5 milhões. 

 

É a arrecadação


Daí porque se trata de mais uma medida que o governo adota para tentar aumentar a arrecadação federal. Em meio aos esforços da equipe econômica de alcançar a meta fiscal de déficit zero em 2024, o governo vem fazendo vítimas nas estratégias de planejamento tributário dos super-ricos. 

“O governo está tentando tirar alguns incentivos tributários. Está puxando o freio porque precisa arrecadar”

— ANDRÉ CAMARGO, RESPONSÁVEL PELA ÁREA DE GOVERNANÇA NO ESCRITÓRIO TAUIL & CHEQUER


O governo vem recarregando a munição contra o mercado financeiro, sem dar sinais de que o ataque já está na fase final. Tudo começou com a incidência do chamado “come-cotas” nos fundos fechados usados para gestão patrimonial. Junto, veio a taxação de fundos no exterior. 

Depois, o cerco se fechou aos títulos incentivados, impactando a limitação de lastro para emissão de letras financeiras de crédito e os certificados de recebíveis ligados aos setores imobiliário e agronegócio (LCI, LCA, CRI, CRA e LIG). “Isso tudo está diretamente relacionado ao plano fiscal do atual governo”, resume Jorge, da Quantzed. 

 

Renda fixa vs. renda variável


Ainda assim, a mudança é importante também para o próprio mecanismo dos fundos de investimentos, pois muda a dinâmica de captação de recursos e da oferta de produtos, inibindo a criação de novos veículos. Afinal, novos fundos não poderão ser abertos com objetivos específicos. 

Nesse sentido, o especialista em mercado de capitais vê uma migração dos investidores da renda fixa em direção à renda variável. Ele lembra que esse movimento foi observado em 2023, apesar do saldo positivo da indústria de fundos no ano passado, com parte dos recursos indo para as ações; outra parte sendo expatriada e uma terceira parcela indo em direção a outros instrumentos de renda fixa. “Essas foram algumas das soluções”, conclui.

 

Fonte: Invest News

 

Cotações e Índices

Moedas - 23/04/2024 15:30:00
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,121
  • 5,123
  • Paralelo
  • 4,950
  • 5,470
  • Turismo
  • 4,990
  • 5,300
  • Euro
  • 5,480
  • 5,488
  • Iene
  • 0,033
  • 0,033
  • Franco
  • 5,617
  • 5,625
  • Libra
  • 6,379
  • 6,383
  • Ouro
  • 386,550
  • 386,550
Mensal - 15/04/2024
  • Índices
  • jan/24
  • fev/24
  • Inpc/Ibge
  • 0,57
  • 0,81
  • Ipc/Fipe
  • 0,46
  • 0,46
  • Ipc/Fgv
  • 0,61
  • 0,55
  • Igp-m/Fgv
  • 0,07
  • -0,52
  • Igp-di/Fgv
  • -0,27
  • -0,41
  • Selic
  • 0,97
  • 0,80
  • Poupança
  • 0,58
  • 0,53
  • TJLP
  • 0,54
  • 0,54
  • TR
  • 0,09
  • 0,01

Agendas Tributárias

  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação (RET).
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação (PMCMV).
  • Simples Nacional.

Rua Luís Góis, 1592, Mirandópolis, São Paulo - SP
Cep: 04043-200  |  Fone: 11. 5079 8588  |  Fax: 11. 5079 8585
contato@planaudi.srv.br

Desenvolvido pela TBrWeb
( XHTML / CSS )