BYD está longe de criar prática organizacional e conceito de gestão como ‘Toyotismo’

Não é de hoje que se vê comparações envolvendo a China e outros países asiáticos. Enquanto alguns dizem que a Índia é a Nova China, outros falam que um processo de “japanização” da economia chinesa está em curso. Ou seja, são recorrentes as previsões de que o “milagre chinês” já chegou ao fim. 

Para o diretor Damien Ma, do MacroPolo, o que chama mesmo a atenção é que a China tem quase nenhuma influência nas práticas e no pensamento de gestão da indústria ocidental, apesar de ser a maior potência industrial no mundo. Afinal, em algum momento você já ouviu falar do ‘Toyotismo‘. 

A ascensão da indústria japonesa no pós-Segunda Guerra Mundial foi acompanhada do conceito de gestão criado pela montadora Toyota. Grosso modo, refere-se ao sistema de produção enxuta feita just in time e on demand. 

Segundo o diretor do think tank do Instituto Paulson, o toyotismo não foi simplesmente uma ideia, mas um princípio organizador com práticas concretas que levou a uma transformação do modelo de produção em massa no Ocidente.

 

“O que foi pioneiro em Nagoya, no Japão, foi entrelaçado na estrutura do pensamento corporativo americano e canonizado em clássicos, tornando a Toyota um estudo de caso que ainda hoje permanece popular”

— DAMIEN MA, DIRETOR DO MACROPOLO

 

Porém, não há sinais de que haverá um “BYDismo”, apesar da fabricante chinesa ter superado a Tesla, do bilionário Elon Musk, e se tornando a maior vendedora de veículos 100% elétricos no mundo em 2023. Talvez, isso aconteça porque a Toyota era a mais ocidental entre as empresas estrangeiras de sucesso, avalia o MacroPolo

“O sistema que a montadora desenvolveu era mais compatível com a cultura corporativa que existia nos Estados Unidos e na Europa”, afirma Damien Ma, em relatório que fala que o “Japão Inc.” é muito mais influente. Em contraste, a ascensão da “China Inc.” desde a década de 1990 não viu até então nenhuma filosofia ou prática de gestão equivalente ou que se aproximasse da influência que o Japão exerceu.

 

Nem Tencent, nem Alibaba


O próprio conselheiro especial da BYD, Alexandre Baldy, reconhece que existem obstáculos de diferentes complexidades. Entre elas, as mudanças de costumes e paradigmas, em torno da transição energética e ao fornecimento de soluções de tecnologia verde. “Ainda é um começo, mas o aumento nas vendas aponta que estamos no caminho certo”, afirmou.

Para Baldy, a indústria de veículos elétricos (EV’s) caminha em direção à produção de bens de consumo com emissão zero de carbono. Vale lembrar que a BYD foi a primeira empresa automotiva do mundo a interromper oficialmente, em março de 2022, a produção de veículos movidos apenas com motor a combustão.

Para o secretário Nacional do Meio Ambiente Urbano e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Adalberto Maluf Filho, a ligeira estagnação ou redução no crescimento das vendas de veículos elétricos em alguns mercados europeus e nos EUA dá indícios de uma “contra-ofensiva” de algumas marcas tradicionais do setor que vêm perdendo espaço para o protagonismo chinês e tentam manter a importância dos combustíveis fósseis.

Porém, não se trata de uma missão exclusiva da BYD. Afinal, a China possui outras empresas com presença global e já conhecidas fora do território continental. É o caso das gigantes de tecnologia Alibaba, do empresário Jack Ma, e da Tencent, dona do aplicativo WeChat, tido como uma espécie de “canivete suíço digital para a vida moderna”, conforme palavras do autor Kai-Fu Lee, no livro AI Superpowers. 

 

A prática leva à perfeição


A resposta à lacuna notável e peculiar sobre a influência da China nas práticas organizacionais e nos conceitos de gestão não está totalmente clara, até o momento. Aos olhos de especialistas, pode-se dizer que a China é uma ameaça competitiva e, por isso, as empresas ocidentais deveriam se proteger ao invés de adotar as lições chinesas. 

“Nada disso significa que as empresas chinesas não tenham nada a oferecer ou que estejam desprovidas de novas práticas de gestão”

— Damien Ma, diretor do MacroPolo 

Ao contrário, a velocidade, a escala e a flexibilidade são as principais vantagens, enumera o diretor do think tank. Afinal, o pressuposto operacional do gigante emergente é maximizar o crescimento rapidamente, a fim de afastar o impacto inevitável de novos participantes no mercado dentro de meses. 

Tratam-se, portanto, de táticas de sobrevivência necessárias em um ambiente onde a configuração padrão é a escassez de oportunidades combinada com uma oferta excessiva de empreendedores que perseguem as mesmas oportunidades. Até mesmo Pony Ma, o fundador da Tencent, brinca que “na China, as ideias não são importantes – a execução é”.

 

Fonte: Invest News

 

Cotações e Índices

Moedas - 23/04/2024 15:30:00
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,121
  • 5,123
  • Paralelo
  • 4,950
  • 5,470
  • Turismo
  • 4,990
  • 5,300
  • Euro
  • 5,480
  • 5,488
  • Iene
  • 0,033
  • 0,033
  • Franco
  • 5,617
  • 5,625
  • Libra
  • 6,379
  • 6,383
  • Ouro
  • 386,550
  • 386,550
Mensal - 15/04/2024
  • Índices
  • jan/24
  • fev/24
  • Inpc/Ibge
  • 0,57
  • 0,81
  • Ipc/Fipe
  • 0,46
  • 0,46
  • Ipc/Fgv
  • 0,61
  • 0,55
  • Igp-m/Fgv
  • 0,07
  • -0,52
  • Igp-di/Fgv
  • -0,27
  • -0,41
  • Selic
  • 0,97
  • 0,80
  • Poupança
  • 0,58
  • 0,53
  • TJLP
  • 0,54
  • 0,54
  • TR
  • 0,09
  • 0,01

Agendas Tributárias

  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação (RET).
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação (PMCMV).
  • Simples Nacional.

Rua Luís Góis, 1592, Mirandópolis, São Paulo - SP
Cep: 04043-200  |  Fone: 11. 5079 8588  |  Fax: 11. 5079 8585
contato@planaudi.srv.br

Desenvolvido pela TBrWeb
( XHTML / CSS )